“Só as pessoas que vivem isoladas, atrás das suas muralhas, falam de dever e responsabilidade. O homem que ama não fala de responsabilidade: ama.”

J. Krishnamurti 

Livro: A primeira e última liberdade (Cultrix, 1981 – Primeira publicação em 1954) | Autor: J. Krishnamurti | Página: 150

“Mas, ela se foi, e eu fiquei abandonado, perdido, só. Sem ela, nada sou. Por isso, choro; não porque ela se foi, mas porque eu fiquei. Estou só.”

J. Krishnamurti  

Livro: A primeira e última liberdade (Cultrix, 1981 – Primeira publicação em 1954) | Autor: J. Krishnamurti | Página: 144 | Krishnamurti sobre a morte da pessoa amada.

“O amor não é memória. O amor não é experiência. Não é amor pensarmos na pessoa que amamos, pois isso é apenas pensamento. Não se pode pensar o amor. (…) O amor, por conseguinte, não é uma experiência.

Quando há amor, há ação, (…).”

J. Krishnamurti  

Livro: A primeira e última liberdade (Cultrix, 1981 – Primeira publicação em 1954) | Autor: J. Krishnamurti | Página: 49

🔖 Leia outras frases que expressam a mesma ideia:

“Sempre existe alguém, que é ráio de sol de nossa vida.”

Carolina Maria de Jesus 

Livro: Casa de alvenaria, volume 2: Santana (Companhia das letras, 2021 – Escrito em 1960 e publicado originalmente em 1961) | Autora: Carolina Maria de Jesus | Página: 328 | A fim de resguardar a integridade da voz e da escrita de Carolina, esta edição mantêm todos as grafias destoantes dos dicionários do início da década de 1960, quando o livro foi escrito.

🔖 Leia outra citação que expressa a mesma ideia:

“Ele disse me que o amor de cigano é imenso igual ao mar. É quente igual ao sol.”

Carolina Maria de Jesus  

Livro: Quarto de despejo: diário de uma favelada (Editora Ática, 2014 / 10ª edição 2021 – Publicado originalmente em 1960) | Autora: Carolina Maria de Jesus | Página: 149 | A edição respeita fielmente a linguagem da autora, que muitas vezes contraria a gramática, incluindo a grafia e a acentuação das palavras, mas que por isso mesmo traduz com realismo a forma de o povo enxergar e expressar seu mundo.

“Toda paixão, com efeito, por mais etérea que possa parecer, na verdade enraíza-se tão somente no instinto natural dos sexos; e nada mais é que um impulso sexual perfeitamente determinado e individualizado.”

Arthur Schopenhauer   

Livro: Da morte. Metafísica do Amor. Do sofrimento do Mundo. (Ed. Martin Claret, 2004 – Escrito em 1851) | Autor: Arthur Schopenhauer | Página: 81 – Metafísica do amor

“Aprendi com Albert Schweitzer, desde a minha juventude, que a ‘reverência pela vida’ é o supremo princípio ético do amor.”

Rubem Alves   

Livro: Palavras para desatar nós (Papirus Editora, 2011 – 8ª Reimpressão 2019) | Autor: Rubem Alves | Página: 101 – Crônica: “Sobre a morte e o morrer” | Albert Schweitzer: teólogo e filósofo alemão

🔖 Leia outra frase onde Rubem Alves fala sobre a “reverência pela vida”:

“Um único momento de beleza e amor justifica a vida inteira.”

Rubem Alves   

Livro: Palavras para desatar nós (Papirus Editora, 2011 – 8ª Reimpressão 2019) | Autor: Rubem Alves | Página: 31 – Crônica: “Um único momento”

“Devora o coração, que mal palpita, o abutre da saudade.”

Tomás Antônio Gonzaga | Segunda Parte – Lira XI 

ivro: Marília de Dirceu (Ed. Garnier, 2019 – a 1ª parte foi publicada originalmente em 1792 e a 2ª em 1799) | Autor: Tomás Antônio Gonzaga | Página: 91

“Eu tenho um coração maior que o mundo.”

Tomás Antônio Gonzaga | Segunda Parte – Lira II

Livro: Marília de Dirceu (Ed. Garnier, 2019 – a 1ª parte foi publicada originalmente em 1792 e a 2ª em 1799) | Autor: Tomás Antônio Gonzaga | Página: 79

“Se há Cupido, é só teu rosto, que ele foi quem me venceu.”

Tomás Antônio Gonzaga | Primeira Parte – Lira II

Livro: Marília de Dirceu (Ed. Garnier, 2019 – a 1ª parte foi publicada originalmente em 1792 e a 2ª em 1799) | Autor: Tomás Antônio Gonzaga | Página: 27 | Na Lira, Tomás Antônio Gonzaga refuta a imagem típica do Cupido como um anjo com flechas na mão.

“(…) amar é viver.”

Gonçalves Dias, “Minha vida e meus amores” 

Livro: Primeiros Cantos (Autêntica Ed., 1998 – 1ª Edição 1847) | Autor: Gonçalves Dias | Página: 57

“Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões, é que se ama verdadeiramente.”

Clarice Lispector 

Livro: O palhaço e o psicanalista: como escutar os outros pode transformar vidas (Ed. Planeta, 2021) | Autores: Christian Dunker e Cláudio Thebas | Páginas: 179 a 180

“Se eu cair nos seus braços, não há despertador que me faça acordar!”

Herivelto Martins no samba “Isaura”

Livro: A chave do Enigma (Ed. Record, 2001) | Autor: Fernando Sabino | Página: 67 – Crônica: “Bom Humor Matinal”

“Não existe, todavia, receita tão infalível quanto estar de alma limpa e coração à larga. Nenhum remorso na mente, pelo que se passou na noite anterior; nenhuma lembrança daquilo que melhor fora esquecer. E batendo o coração em uníssono com o de alguém mais, então ninguém segura a felicidade do dorminhoco ao despertar.”

Fernando Sabino  

Livro: A chave do Enigma (Ed. Record, 2001) | Autor: Fernando Sabino | Página: 67 – Crônica: “Bom Humor Matinal”