“Nos tempos de Nietzsche a juventude burguesa ainda queria parecer velha. Naquela época, juventude era antes uma desvantagem na carreira. Recomendavam-se meios de fazer a barba crescer mais depressa, óculos eram símbolo de status. Imitavam-se os pais usando colarinho duro, os adolescentes eram enfiados em casacas e aprendiam a andar da maneira comedida.”

Rüdiger Safranski   

Livro: Nietzsche: biografia de uma tragédia (Geração Editorial, 2017) | Autor: Rüdiger Safranski | Página: 293

“Nós (temos de) nos tornar os melhores aprendizes e descobridores de tudo o que é regrado e necessário no mundo: temos de ser físicos, para podermos ser criadores em todos os sentidos, enquanto até aqui todas as avaliações e ideais se construíram sobre desconhecimento da Física ou em contradição com ela. Por isso mesmo: Viva a física! E viva ainda mais aquilo que nos força até ela: a nossa honestidade.”

Nietzsche 

Livro: Nietzsche: biografia de uma tragédia (Geração Editorial, 2017) | Autor: Rüdiger Safranski | Páginas: 266 a 267

“Inocência é criança e esquecimento, um recomeçar, um jogo, uma roda que gira por si, um primeiro movimento, um sagrado dizer-sim.”

Nietzsche

Livro: Nietzsche: biografia de uma tragédia (Geração Editorial, 2017) | Autor: Rüdiger Safranski | Página: 254

“Música é um rumor vazio que só pelas lembranças de infância, associações de imagens, sensações corporais, aos poucos é carregada de significado.”

Rüdiger Safranski   

Livro: Nietzsche: biografia de uma tragédia (Geração Editorial, 2017) | Autor: Rüdiger Safranski | Página: 182 | Em relação a música clássica, especialmente de Wagner e Beethoven que Nietzsche apreciava.

“A arte esconde no brilho de sua exigência implícita de verdade, e a ciência oculta na exigência da verdade seu ficcionalismo implícito.”

Rüdiger Safranski   

Livro: Nietzsche: biografia de uma tragédia (Geração Editorial, 2017) | Autor: Rüdiger Safranski | Página: 179

“Esse quebrar-se a si mesmo, esse zombar da própria natureza (…), ao qual as religiões deram tanta importância, é na verdade um altíssimo grau de vaidade. Toda a moral do Sermão da Montanha faz parte disso: o ser humano tem verdadeiro prazer em violentar-se com exigências exageradas, e depois endeusarem sua alma com esse algo tirânico e exigente. Em toda moral ascética o ser humano reza para uma parte de si mesmo como um Deus, e por isso necessariamente tem de demonizar a outra parte.”

Nietzsche

Livro: Nietzsche: biografia de uma tragédia (Geração Editorial, 2017) | Autor: Rüdiger Safranski | Páginas: 177 a 178

“Quando uma cultura envelhece e o círculo de todos os sentimentos naturais foi percorrido incontáveis vezes, deve-se encontrar uma nova espécie de encantos na vida. Talvez o cristianismo fosse um novo encanto da vida. Ele oferecia ao convertido um drama espiritual de pecado e redenção.”

Rüdiger Safranski   

Livro: Nietzsche: biografia de uma tragédia (Geração Editorial, 2017) | Autor: Rüdiger Safranski | Páginas: 176 a 177 | Os textos em itálico são trechos da obra de Nietzsche.

“Especialmente no cristianismo, existe a tendência de sentir-se pecador. De onde vem esse sentimento, o que há por trás dele? É espantoso que o ser humano se considere mais negro e pior do que realmente é.”

Rüdiger Safranski   

Livro: Nietzsche: biografia de uma tragédia (Geração Editorial, 2017) | Autor: Rüdiger Safranski | Página: 176 | O texto em itálico é um trecho da obra de Nietzsche.

🔖 Leia outra frase que fala sobre o mesmo tema:

“A paixão pelo pensamento faz Nietzsche organizar sua vida de modo a ter sempre o que pensar. Ele não quer apenas produzir frases que possam ser citadas, mas fazer da sua vida uma base de citações para seu pensar.”

Rüdiger Safranski   

Livro: Nietzsche: biografia de uma tragédia (Geração Editorial, 2017) | Autor: Rüdiger Safranski | Página: 166

“A total irresponsabilidade do ser humano por seu agir e sua essência é a gota mais amarga que o cognoscente tem de engolir.”

Nietzsche 

Livro: Nietzsche: biografia de uma tragédia (Geração Editorial, 2017) | Autor: Rüdiger Safranski | Página: 160

🔖 Leia outra frase de Nietzsche que completa o sentido dessa citação:

“Assim em sequência tornamos o ser humano responsável por seus efeitos, depois por suas ações, depois por seus motivos, e finalmente pela sua essência. Finalmente descobrimos que também essa essência não pode ser responsável, na medida em que é uma consequência totalmente necessária e nasce dos elementos e influências de coisas passadas e presentes: portanto o ser humano não pode ser responsabilizado por nada, nem pela sua essência, nem por seus motivos, nem por suas ações nem por seus efeitos. Com isso entendemos que a história dos sentimentos morais é a história de um engano, o engano da responsabilidade.”

Nietzsche 

Livro: Nietzsche: biografia de uma tragédia (Geração Editorial, 2017) | Autor: Rüdiger Safranski | Página: 160

🔖 Leia outra frase de Nietzsche que completa o sentido dessa citação:

“Para Michelangelo era certo que a ideia da figura que se esculpe já pré-existe na pedra; basta remover o supérfluo, e ela há de aparecer.”

Rüdiger Safranski   

Livro: Nietzsche: biografia de uma tragédia (Geração Editorial, 2017) | Autor: Rüdiger Safranski | Página: 157

🔖 Leia outra frase que narra a mesma idea de Michelangelo: