“Aos vinte anos reina a vontade, aos trinta a inteligência, aos quarenta o juízo.”

Baltasar Gracián    

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 88

“O sábio não deve ostentar nem sequer suas qualidades mais importantes: contente-se em fazer, deixando o falar para os demais. Dê belas ações, mas não as venda.”

Baltasar Gracián    

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 87

“Aquele que sabe pode se arriscar a fazer o que quer, mas saber pouco e arriscar-se é jogar-se voluntariamente no precipício. Quando se sabe pouco, é melhor seguir pela estrada principal. Deve-se manter o caminho reto e não faltará o caminho firme.”

Baltasar Gracián    

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 85

“Não se deve criticar sem consideração: o mau gosto normalmente nasce da ignorância.”

Baltasar Gracián    

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 85

“A memória é descortês (falta quando é mais necessária) e tola (vem quando não convém): detém-se no que faz sofrer e descuida daquilo que gosta. Às vezes o remédio de uma desgraça é esquecê-la, mas se esquece o remédio.”

Baltasar Gracián    

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 83

“A maioria das pessoas não aprecia aquilo que entende, mas venera o que não compreende. Para ter valor as coisas precisam ser difíceis.”

Baltasar Gracián   

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 82

“Trate os amigos de hoje como se pudessem se tornar os inimigos de amanhã, inclusive os piores. (…) Os desertores da amizade não devem receber armas, pois farão com elas a pior guerra. Os inimigos, ao contrário, devem ter sempre uma porta aberta para a reconciliação.”

Baltasar Gracián

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 77

“A boa e a má sorte se alternam: nem tudo é felicidade, nem tudo é adversidade.”

Baltasar Gracián   

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 76

🔖 Leia outras citações que expressam a mesma ideia:

“Não há ninguém tão desamparado que não tenha uma estrela.”

Baltasar Gracián   

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 74

🔖 Leia outras frases com possíveis significados para a palavra “estrela” no contexto da citação:

“Não existe ninguém que não possa ser mestre de alguém em alguma coisa. Também sempre há quem saiba mais.”

Baltasar Gracián   

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 73

🔖 Leia outras citações que expressam a mesma ideia:

“A adulação imita até os defeitos do rosto, sem perceber que aquilo que é tolerável nos grandes torna-se insuportável nos pequenos.”

Baltasar Gracián    

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 70

“Todo tolo é obstinado e todo obstinado é tolo. Quanto mais equivocada a opinião, maior a tenacidade em defendê-la.”

Baltasar Gracián    

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 69

“É preciso moderar a ideia que se tem dos outros para não colocá-los tão alto que se passe a temê-los.”

Baltasar Gracián    

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 68

“Nada requer mais tato que a verdade, pois pode fazer sangrar o coração. (…) Não se podem dizer todas as verdades: umas porque nos afetam e outras porque afetam os demais.”

Baltasar Gracián   

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 68

🔖 Leia outras citações que abordam o mesmo tema:

“Há mais dias do que alegrias. Por isso, faça depressa e desfrute devagar.”

Baltasar Gracián    

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 67

“Todo excesso de paixão obscurece a razão.”

Baltasar Gracián   

Livro: A arte da prudência (Ed. Sextante, 2006 – 1ª Edição publicada em 1647, com nome de “Oráculo manual e a arte da prudência”) | Autor: Baltasar Gracián | Página: 61