“Quem há que diga: Eu sou feliz! – se acaso um amigo lhe falta?”

Gonçalves Dias, “Quadras da Minha Vida!”

Livro: Primeiros Cantos (Autêntica Ed., 1998 – 1ª Edição 1847) | Autor: Gonçalves Dias | Página: 131 | Quadras: fases, períodos.

“Pátria! Doce nome que o exílio faz compreender!”

Marino Faliero – Lord George Gordon Byron (1788-1920)

Livro: Primeiros Cantos (Autêntica Ed., 1998 – 1ª Edição 1847) | Autor: Gonçalves Dias | Página: 102

“Parecia chorar co’o seu sorriso, Parecia sorrir co’o choro dela.”

Gonçalves Dias, “A Mendiga”

Livro: Primeiros Cantos (Autêntica Ed., 1998 – 1ª Edição 1847) | Autor: Gonçalves Dias | Página: 99 | Co’o: com o

“Eu… amarei tua vitória;

Para meu coração, amigo de toda glória,

Os triunfos dos outros não são uma afronta.

Poeta, sempre tive uma canção para os poetas,

E jamais o loureiro que enfeita outras cabeças

Projetou sombra em minha fronte.”

V. Hugo 

Livro: Primeiros Cantos (Autêntica Ed., 1998 – 1ª Edição 1847) | Autor: Gonçalves Dias | Página: 91

“Meu Deus, Senhor meu Deus, o que há no mundo, que não seja sofrer?

O homem nasce, vive um só instante, e sofre até morrer!”

Gonçalves Dias – “Sofrimento”

Livro: Primeiros Cantos (Autêntica Ed., 1998 – 1ª Edição 1847) | Autor: Gonçalves Dias | Página: 75

“(…) amar é viver.”

Gonçalves Dias, “Minha vida e meus amores” 

Livro: Primeiros Cantos (Autêntica Ed., 1998 – 1ª Edição 1847) | Autor: Gonçalves Dias | Página: 57

Minha terra tem palmeiras, onde canta o Sabiá.

Gonçalves Dias, “Canção do Exilio” 

Livro: Primeiros Cantos (Autêntica Ed., 1998 – 1ª Edição 1847) | Autor: Gonçalves Dias | Páginas: 19 a 20

“As infelicidades de um obscuro habitante das selvas teriam menos direito às nossas lágrimas do que aquelas dos outros homens?”

Chateaubriand (1768 – 1848)

Livro: Primeiros Cantos (Autêntica Ed., 1998 – 1ª Edição 1847) | Autor: Gonçalves Dias | Página: 19

“Casar assim o pensamento com o sentimento – o coração com o entendimento – a ideia com a paixão – colorir tudo isto com a imaginação, fundir tudo isto com a vida e com a natureza, purificar tudo com o sentimento da religião e da divindade, eis a Poesia – a Poesia grande e santa – a Poesia como eu a compreendo sem a poder definir, como eu a sinto sem poder traduzir.”

Gonçalves Dias  

Livro: Primeiros Cantos (Autêntica Ed., 1998 – 1ª Edição 1847) | Autor: Gonçalves Dias | Página: 17

“Escrevi-as para mim, e não para os outros; contentar-me-ei, se agradarem; e se não… é sempre certo que tive o prazer de as ter composto.”

Gonçalves Dias  

Livro: Primeiros Cantos (Autêntica Ed., 1998 – 1ª Edição 1847) | Autor: Gonçalves Dias | Página: 17