“Para não descartar inteiramente nosso livre-arbítrio, creio que se pode admitir que a sorte seja árbitra da metade dos nossos atos, mas que nos permite o controle sobre a outra metade, aproximadamente. Comparo a sorte a um rio impetuoso que, quando enfurecido, inunda a planície, derruba árvores e edifícios, remove terra de um lugar para depositá-la em outro. Todos fogem diante da sua fúria, tudo cede sem que se possa detê-la. Contudo, apesar de ter essa natureza, quando as águas correm quietamente é possível construir defesas contra elas, diques e barragens, de modo que, quando voltem a crescer, sejam desviadas por um canal, para que seu ímpeto seja menos selvagem e devastador.”

Maquiavel

Livro: O Príncipe (Ed. Martin Claret, 2006 – Escrito em 1513) | Autor: Nicolau Maquiavel | Páginas: 145 e 146

🔖 Outra citação que expressa a mesma ideia:

“Só são boas, seguras e duráveis aquelas defesas que dependem exclusivamente de nós, e do nosso próprio valor.”

Maquiavel

Livro: O Príncipe (Ed. Martin Claret, 2006 – Escrito em 1513) | Autor: Nicolau Maquiavel | Página: 144

“A primeira impressão que se tem de um governante e da sua inteligência é dada pelos homens que o cercam.”

Maquiavel   

Livro: O Príncipe (Ed. Martin Claret, 2006 – Escrito em 1513) | Autor: Nicolau Maquiavel | Página: 136

“Faz parte da natureza das coisas o fato de que jamais se tenta evitar uma dificuldade sem cair noutra; a prudência consiste em saber reconhecer a natureza dos inconvenientes, aceitando como bom o menos mau.”

Maquiavel

Livro: O Príncipe (Ed. Martin Claret, 2006 – Escrito em 1513) | Autor: Nicolau Maquiavel | Página: 134

🔖 Citações que abordam o mesmo tema:

“É também muito estimado o príncipe que age como verdadeiro amigo ou inimigo declarado; isto é, que se declara sem reserva em favor de uns e contra outros, política que é sempre mais útil do que a da neutralidade.”

Maquiavel

Livro: O Príncipe (Ed. Martin Claret, 2006 – Escrito em 1513) | Autor: Nicolau Maquiavel | Página: 132 | Príncipe: governante

“A melhor fortaleza é a construída sobre a estima dos súditos, pois as fortificações não salvarão um príncipe odiado pelo povo.”

Maquiavel

Livro: O Príncipe (Ed. Martin Claret, 2006 – Escrito em 1513) | Autor: Nicolau Maquiavel | Página: 128 | Príncipe: governante

“Os soberanos – especialmente os que são novos – encontram em geral maior utilidade naquelas pessoas que originalmente inspiravam suspeita do que naquelas que no começo lhes inspirava confiança.”

Maquiavel 

Livro: O Príncipe (Ed. Martin Claret, 2006 – Escrito em 1513) | Autor: Nicolau Maquiavel | Página: 126

🔖 Citações que expressam a mesma ideia:

“Nada é mais necessário do que a aparência de religiosidade. De modo geral, os homens julgam mais com os olhos do que com o tato: todos podem ver, mas poucos são capazes de sentir.”

Maquiavel

Livro: O Príncipe (Ed. Martin Claret, 2006 – Escrito em 1513) | Autor: Nicolau Maquiavel | Páginas: 108 e 109

“(…) os homens são tão pouco argutos, e se inclinam de tal modo às necessidades imediatas, que quem quiser enganá-los encontrará sempre quem se deixe enganar.”

Maquiavel    

Livro: O Príncipe (Ed. Martin Claret, 2006 – Escrito em 1513) | Autor: Nicolau Maquiavel | Página: 107 | Arguto: capacidade de perceber rapidamente as coisa mais sutis.

“(…) deve o príncipe valer-se das qualidades da raposa e do leão, pois o leão não sabe se defender das armadilhas, e a raposa não consegue defender-se dos lobos. É preciso, portanto, ser raposa para reconhecer as armadilhas, e leão para afugentar os lobos.”

Maquiavel

Livro: O Príncipe (Ed. Martin Claret, 2006 – Escrito em 1513) | Autor: Nicolau Maquiavel | Página: 107 | Príncipe: governante

“O modo como vivemos é tão diferente daquele que deveríamos viver, que quem despreza o que se faz e se atém ao que deveria ser feito aprenderá a maneira de se arruinar, e não a defender-se.”

Maquiavel     

Livro: O Príncipe (Ed. Martin Claret, 2006 – Escrito em 1513) | Autor: Nicolau Maquiavel | Página: 96

“As injúrias devem ser cometidas todas ao mesmo tempo, de modo que, sendo sentidas por menos tempo, ofendam menos. Os benefícios, por sua vez, devem ser concedidos gradualmente, de forma que sejam mais bem apreciados.”

Maquiavel    

Livro: O Príncipe (Ed. Martin Claret, 2006 – Escrito em 1513) | Autor: Nicolau Maquiavel | Página: 69

“Comete um grande erro quem pensa que entre as altas personalidades seja possível fazer esquecer antigas ofensas com novos benefícios.”

Maquiavel   

Livro: O Príncipe (Ed. Martin Claret, 2006 – Escrito em 1513) | Autor: Nicolau Maquiavel | Página: 63

“(…) quem não prepara os alicerces do poder antes de alcançá-lo com valor pode fazê-lo depois, embora isto represente um grande esforço para o arquiteto, e perigo para o edifício.”

Maquiavel

Livro: O Príncipe (Ed. Martin Claret, 2006 – Escrito em 1513) | Autor: Nicolau Maquiavel | Página: 55